Duda Imóveis

É chegado aquele momento mais que especial na vida de uma família (ou de quem vai morar sozinho pela primeira vez, ou quem vai morar com namorado, amigos, a escolha aqui é livre, hein!) deixar o passado para trás e iniciar uma nova jornada em uma casa nova. Sim, além daquele misto de felicidade e medo, há outra coisa que permeia 24 horas o pensamento: MUDANÇA!

Na dúvida sobre o que levar ou não levar? Siga nossas dicas, lembrando-se de que, ao desapegar de coisas sem uso, procure doá-las a instituições de caridade ou famílias necessitadas.

1) ROUPAS:

Engordou? Emagreceu? Saiu de moda? Desapegue-se daqueles itens que não são utilizados há pelo menos 6 (seis) meses.

2) SAPATOS:

Fez calo? Machucou? Enjoou do modelo? Dependendo do estado de sapatos e roupas, é válido além da doação, a venda desses itens para brechós, assim sobra aquele troquinho para investir em coisas novas.

3) MÓVEIS:

Com o passar do tempo, a ação da natureza (exposição ao sol, sereno, e até mesmo, cupins) podem afetar os móveis, caracterizando assim um aspecto gasto e de velho. Em caso de dúvida, responda sinceramente a seguinte pergunta: “será que vale mesmo a pena conservar aquela velha (insira aqui o imóvel de sua preferência). O quanto ele é útil?” e se a resposta for negativa, já sabe a ordem: desapegue.

4) JORNAIS, REVISTAS E LIVROS:

Quem nunca acumulou materiais diversos e depois nunca mais os leu? Nesse caso, esse tipo de material pode ser encaminhado para a reciclagem.

5) ELETRODOMÉSTICOS:

Desapegue-se daqueles que não farão mais falta ou até mesmo que nem funcionam mais.

6) UTENSÍLIOS DOMÉSTICOS:

Itens de cozinha, banheiros, quarto: é bastante comum que os tenhamos em quantidade superior a que precisamos, portanto reveja tudo aquilo que não tem mais uso (ou que seja repetido).

7) BOLSAS, MALAS E MOCHILAS:

Se em excesso, só servirão para acumular poeira e espaço.

8) CAMA E BANHO:

Lençóis, travesseiros, roupas de cama, toalhas: devem ser substituídas periodicamente por questões de higiene.

9) CONTAS ANTIGAS:

Conforme os órgãos de proteção ao consumidor, o prazo ideal para que se conservem esses documentos é de cinco anos. Contudo, caso haja a importância de retê-los, digitalizar é uma boa alternativa no quesito economia de espaço.

DICAS PARA FACILITAR O PROCESSO DE MUDANÇA:

Organize tudo aos poucos e com antecedência, começando pelos itens com pouco uso, como documentos, fotos, itens de decoração, roupas de outra estação, acessórios, brinquedos, roupa de cama/mesa/banho;

Defina um cronograma da mudança e o siga: encaixote um cômodo por vez, sinalizando cada caixa com adesivos ou marcadores de diferentes cores, uma vez que assim facilitará no momento de carregar o caminhão, quanto na organização do novo lar;

Nos dias que antecedem a mudança, prepare uma mala para emergências com mudas de roupa extra, toalhas de banho, itens de higiene pessoal, assim como pratos, talheres e copos.

Duda Imóveis

Este artigo foi produzido pela Duda Imóveis. Gostou? Compartilhe suas sugestões e dicas, nossos consultores vão adorar conversar com você. Deixe seu comentário abaixo!

4 alternativas para quem não tem fiador de imóvel
22 jan
aluguel aluguel estudante

4 alternativas para quem não tem fiador de imóvel

Uma das preocupações na hora de alugar um cantinho, é encontrar um fiador de imóvel. Felizmente, a tradicional figura do […]

leia mais
Aprovados no ENEM: 6 dicas para escolher o imóvel ideal
15 jan
aluguel aluguel estudante

Aprovados no ENEM: 6 dicas para escolher o imóvel ideal

Ao mesmo tempo em que é divertido, sabemos o quanto é complicado sair da casa dos pais quando a vida […]

leia mais